Código de Conduta (2009)

Código de Conduta (Law Abiding Citizen), é um filme do ano de 2009, primeiro trabalho como produtor do ator Gerard Butler, em parceria com Lucas Foster, Mark Gill, Alan Siegel e Kurt Wimmer. O filme teve sua estréia em 2009 e na primeira semana de exibição nos Estados Unidos teve renda de US$ 21,3 mi e ficou em segundo lugar nas bilheterias, repetindo a colocação na segunda semana.

Sinopse do filme Código de Conduta

Durante um assalto, Clyde Shelton (Gerard Butler) vê sua mulher e filha serem assassinadas brutalmente em sua própria casa. Quando os assassinos são capturados, o jovem procurador Nick Rice (Jamie Foxx) assume o caso, porém é obrigado a soltar um dos envolvidos em troca de informações sobre um de seus cúmplices. Clyde não aceita ver o assassino de sua mulher e filha à solta e tenta impedir que o fato ocorra, mas não consegue evitar que o assassino seja solto. Então decide fazer, ele mesmo, justiça pelos assassinatos das duas. Dez anos depois o assassino que havia sido solto é encontrado morto e Clyde assume a autoria do crime, avisando a Nick que um a um, os assassinos de sua família serão mortos. Clyde é preso, mas de sua cela consegue planejar e executar uma série de assassinatos que ninguém consegue prever.

Devotado pai de família, Clyde Shelton (Gerard Butler) tem sua vida completamente transformada depois de um assalto a sua residência, em que sua mulher e sua filha são brutalmente assassinadas. Ávido por justiça, Shelton vê a prisão dos criminosos e acredita que eles serão severamente punidos, porém, um dos assassinos consegue fazer um acordo com o famoso promotor Nick Rice (Jamie Foxx). Assim, ele acaba sendo libertado, dando em troca um extenso testemunho contra seus comparsas.

Anos depois, o assassino é encontrado morto e o principal suspeito é Clyde, que logo confessa o crime. Descontente com a decisão da justiça, Shelton revela que decidiu se vingar por conta própria. Da cadeia, ele logo afirma estar disposto a matar todos os envolvidos no caso, um a um, a menos que Nick desfaça o acordo, permitindo que a lei puna rigorosamente os assassinos de sua família. Quando os envolvidos começam a morrer em circunstâncias imprevisíveis, Nick percebe que precisa tomar uma decisão antes que sua própria família também seja morta.

Estrelado e produzido por Gerard Butler, Código de Conduta tem a direção de F. Gary Gray, de Uma Saída de Mestre e O Negociador. A ideia de produzir surgiu quando o roteirista Kurt Wimmer deixou um script com Alan Siegel, sócio de Butler na produtora Evil Twins. Para os papéis principais, além do próprio Gerard, foi chamado o vencedor do Oscar por Ray, Jamie Foxx.

Análise do filme Código de Conduta

Filmes como “Código de Conduta” acabam a princípio pregando peça para quem assiste e isso pode ter um resultado muito desagradável.

Foi a sensação que tive quando vi, por exemplo o filme “2012”, onde esperava algo focado na cultura Maia e no seu calendário e o que acabou-se vendo foi uma pequena citação ao tal calendário e um festival de cenas exageradas em tons de comédia / aventura. Aqui o mesmo se repete, o filme começa muito sério e até o seu meio coloca em discussão o sistema penal dos EUA e de tantos outros países. Mas acaba se perdendo e virando um filme comum de vilão versus policial querendo prendê-lo.

Se você não liga para esse tipo de trapaça que alguns diretores façam, realmente vai encotrar um filme com muita ação, ótimas atuações e um bom entreterimento.

1° Momento

Decisão e acordo feito pelo advogado e promotor público Nick sobre o caso da morte da mulher e filha de Clyde sem mesmo tê-lo consultado antes.

Antes de ter tomado a decisão de fazer um acordo com o criminoso, Nick deviria antes ter tido uma conversa com Clyde para que ambos decidissem qual melhor seria o acordo ou decisão a tomar, mesmo por que o caso envolvia a família de Clyde. Sendo assim, não foi ético da parte de Nick ter tomado sozinho à decisão de fazer o acordo, achando esta seria a melhor decisão para o caso, nem mesmo ter feito esse acordo sabendo que o bandido era culpado. Por outro lado a decisão tomada por Nick no ambiente judicial foi moral já que fazer um acordo está dentro das normas judiciais e sociais.

2° Momento

Dez anos se passam e Clyde decide aparecer e fazer justiça com as próprias mãos eliminando todos os envolvidos pelo inquérito que livrou um dos assassinos. Com a execução do segundo assassino, Clyde é procurado e considerado o principal suspeito, sendo assim, já esperando por sua prisão, ele aguarda em uma de suas residências, não sabendo todos, que tudo faz parte de um plano elaborado por Clyde. Seu plano é fazer com que todo sistema judicial corrupto cai sobre Nick o promotor como o mesmo diz em uma das conversas com Nick: “Eu vou acabar com o sistema, eu vou fazer todo esse sistema corrupto cair sobre a sua cabeça, vai ser bíblico”.

Mesmo tendo presenciado sua mulher e filha serem mortas e todo o sofrimento que passou a decisão de Clyde de fazer justiça com as próprias mãos eliminando todos os envolvidos no caso não foi uma atitude certa. Mesmo Clyde acreditando ter tomado uma atitude ética, não é ético tirar a vida de outras pessoas, e também, neste caso não é moral.

3° Momento

Próximo o final do filme, a Prefeita elabora uma reunião de segurança junto com as autoridades, essa reunião ficava localizada no 6° andar, na sala de convenções onde a mesma decide tomar qualquer providência junto às autoridades que eliminasse de vez Clyde Shelton.

Diante de toda a situação em que se encontrava o caso, a Prefeita decide então tomar qualquer providência que eliminasse Clyde Shelton de sua cidade como dito em suas próprias palavras: “Tenho uma pergunta simples: Por que Clyde Shelton ainda está na minha cidade? Eu me recuso a acreditar que um homem seja mais inteligente do que o departamento de segurança nacional, o FBI ou o departamento de polícia da Filadélfia, não importa como vamos fazer ou que justificativa obscura vamos usar senhores, não importa que leis teremos que violar, sei que existe algum artigo da lei de segurança nacional ao qual possamos recorrer, tirem-no daqui até amanhã”. Diante da dificuldade de parar Clyde a decisão na qual a prefeita pretendia tomar foi moral naquela circunstância, já que Clyde era considerado uma ameaça e estava provocando pânico em toda sociedade, porém ela poderia acabar tomando atitudes antiéticas para conseguir resolver essa situação.

Este site foi criado por Luís Eduardo Alló (fundador e editor), bacharel em Direito, mineiro de Muriaé – MG e que adora trabalhar na web.


© 2010-2017 Extrapolando | Mapa do Site | Sobre | Política de Privacidade

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Alló Digital